A Casa de Betânia é uma IPSS sem fins lucrativos e tem como finalidade a integração familiar, social de jovens e adultos com deficiência intelectual ligeira/moderada.

Nasceu pela necessidade de dar resposta à situação de Manuel Neves, irmão da Ir. Maria João Vieira Neves (Irmã Doroteia), e, consequentemente, a outras pessoas que não têm quem as possa acompanhar e integrar na sociedade.

Assim, por inspiração da Ir. Maria João, e também graças ao apoio da Drª. Isabel Pinto (Médica), nasceu esta comunidade acolhedora e de suporte, que foi oficialmente constituída a 15 de julho de 1992.

A Casa de Betânia é uma comunidade de vida, onde pessoas com e sem deficiência vivem juntas, partilham as suas experiências, as suas alegrias e os seus sofrimentos, as suas esperanças e os seus projetos, os seus tempos livres e o seu trabalho quotidiano, construindo laços de fraternidade e de corresponsabilidade, segundo as capacidades de cada membro da comunidade

A vida em pequena comunidade é uma das particularidades desta Associação, tornada visível na vida de cada residência.

Somos “casa”, Família:

  • espaço onde a diferença enriquece e valoriza cada um dos seus membros;
  • lugar de fraternidade necessária a cada ser humano;
  • lugar onde se gera o sentimento de pertença;
  • lugar de identificação, diferenciação e crescimento individual e de grupo- família;
  • lugar de inclusão, onde a diferença tem lugar e se torna fonte de vida e de enriquecimento.

Somos “De Betânia”:

em alusão a uma família de três irmãos – Marta, Maria e Lázaro – que viviam numa aldeia chamada Betânia, com amigos e vizinhos, entre eles Jesus, rejeitando qualquer forma de exclusão social, racial, física ou intelectual;

eram três irmãos muito diferentes, tanto em temperamento como em competências;

sabe-se que um deles, Lázaro, morreu e tudo indica que estava doente, havendo mesmo interpretações que sugerem que sofria de qualquer problema crónico… Maria tinha uma forma de estar na vida mais contemplativa, de observação e de escuta. Marta era mais dinâmica e activa, de iniciativa e de liderança.

A Casa de Betânia assume, assim, este jeito de viver a fraternidade e a complementaridade de dons, competências e aptidões.

Em comunidade

Procurando ser sinal de esperança numa sociedade marcada pela rejeição e exclusão, A Casa de Betânia é experiência concreta de fraternidade entre pessoas de diferentes origens sociais e culturais e de diferentes níveis intelectuais, nas suas comunidades de vida e de trabalho.

A Casa de Betânia quer, acima de tudo, ser uma pequena chama que testemunhe “a unidade na diversidade”, na família humana, a verdadeira família de Deus.

Tendo como foco a reabilitação baseada na comunidade, cada pessoa é valorizada com os seus dons e as suas limitações e receber formação específica para poder desempenhar uma atividade voluntaria ou ser presença de apoio a diferentes sectores da sociedade, de acordo com as suas capacidades.

A matriz específica da vida em comunidade das casas/ fraternidades estão expressos na Carta das Comunidades da Casa de Betânia, que encontrou a sua primeira inspiração na Pedagogia de Santa Paula Frassinetti e na espiritualidade vivida pelas duas co-fundadoras, Ir. Maria João e Dra. Isabel Pinto, nas comunidades da Arca de Jean Vanier.

Divulgação

A Associação promove a divulgação da sua ação junto de todos aqueles que manifestam interesse neste Projeto de Reabilitação da Pessoa com Deficiência Intelectual através de:

1 – Organização de Exposições de Pintura e participação em outras de diferentes organismos com quadros do Manuel Neves (pintura a óleo) e outros Trabalhos realizados pelos residentes (pintura, trabalhos de artesanato e de amigos da Casa de Betânia).

2 – Participação em eventos promovidos por diversas entidades públicas, privadas e por amigos da Casa de Betânia.

3 – Dinamização de Campanhas de Solidariedade

4 – Elaboração de desdobráveis;